Parques urbanos: a natureza na cidade - uma análise da percepção dos atores urbanos

more+
less-

Parques urbanos têm sido criados em todo o mundo desde o século XVIII, com objetivos de amenizar os problemas sociais e ambientais citadinos gerados pelo crescimento urbano desordenado. Esses espaços urbanos adquiriram vários significados ao longo de sua existência - entre eles espaço de conflitos, conservação e lazer - alguns dos quais permitiram tanto a disseminação, quanto a inviabilização desse uso para compor o mosaico urbano. No Brasil a criação de Parques foi iniciada no século XIX, com vinda da família Real portuguesa para o Rio de Janeiro. Por isso, muitos parques urbanos brasileiros se inspiraram no estilo europeu na sua concepção; contudo, com o passar dos anos outros estilos de construir parques foram concebidos por arquitetos brasileiros.

Muitas vezes, os parques urbanos são criados e não são implementados, uma vez que, em algumas situações, na configuração do mosaico urbano, os parques não são percebidos pelos atores urbanos como um uso prioritário. Isso por que o espaço urbano, recurso cada vez mais escasso, tornou-se campo de disputa de atores urbanos – Estado, atores privados e comunidade local – que buscam, por meio de suas percepções, atender suas necessidades, motivações e interesses no processo de ocupação do espaço urbano. Como resultado tem-se, na configuração do mosaico urbano, alguns usos urbanos - residencial, comercial, industrial e de proteção especial - que não são considerados como viáveis pelos arranjos de ocupação do espaço urbano estruturados pelos atores urbanos.

Este estudo buscou, então, compreender o papel da percepção dos atores urbanos que comprometem a implementação de um uso urbano de proteção especial - parque urbano. Assim, o desenvolvimento desse estudo demandou a seleção de um estudo de caso que foi o Parque Urbano e Vivencial do Gama, que se localiza na Região Administrativa do Gama no Distrito Federal. Uma série de entrevistas foram realizadas para obter informações sobre a percepção dos atores urbanos - o Administrador da Cidade do Gama, o Legislador, os Executores e, principalmente, os moradores do entorno - que são responsáveis pelas decisões e atitudes relativas à criação e implementação do PUVG.

Esta pesquisa permitiu identificar as duas principais razões que comprometem a implementação do PUVG. A primeira é a percepção predominante de atores institucionais de que o parque urbano é um espaço de conflito, e consequentemente, qualquer ação decisiva para a implementação do PUVG pode desagradar eleitores, em particular aqueles que residem dentro do parque. A segunda está relacionada à descrença da comunidade local da importância de seu papel, como indivíduos e como coletividade, na implementação do PUVG, muitos dos quais se beneficiam do parque para atividades de lazer.

LOADING PDF: If there are any problems, click here to download the file.

Published In: Administrative Agency Updates, Conflict of Laws Updates, Constitutional Law Updates, Construction Updates, Environmental Updates

DISCLAIMER: Because of the generality of this update, the information provided herein may not be applicable in all situations and should not be acted upon without specific legal advice based on particular situations.

© Lucas de Alencar Oliveira | Attorney Advertising

Don't miss a thing! Build a custom news brief:

Read fresh new writing on compliance, cybersecurity, Dodd-Frank, whistleblowers, social media, hiring & firing, patent reform, the NLRB, Obamacare, the SEC…

…or whatever matters the most to you. Follow authors, firms, and topics on JD Supra.

Create your news brief now - it's free and easy »